quinta-feira, abril 21

Emoções ao rubro

Existem pequenas coisas, pequenos gestos, singelas palavras que às vezes nos marcam imenso. Foi o que me aconteceu hoje.
Para além de ser professora, sou também orientadora de estágio, ou seja, trabalho na minha escola com 4 estagiárias que estão a fazer a chamada profissionalização em exercício. São alunas do 5º ano do curso de Inglês/Alemão e estão portanto a leccionar pela 1ª vez. Eu trabalho com elas na disciplina de Alemão. Todas as semanas fazemos os nossos seminários - reunimo-nos as cinco para planear o trabalho, para comentar as aulas que já foram dadas e muitos outros aspectos que seria fastidioso estar agora aqui a enumerar.
Este ano tenho um grupo de "miúdas" espectacular. Raparigas humildes, com uma enorme atenção aos outros e por isso com uma relação fortíssima com os alunos e acima de tudo com uma filosofia de vida muito própria.
E é este aspecto que está a ser para mim fascinante. São raparigas que partilham muitos dos aspectos da chamada cultura hippie, incluindo a forma como se vestem. Acontece que pela sua aparência e pelos ideais que defendem são marginalizadas pelos restantes professores na escola. Há excepções, mas são raríssimas.
Hoje tivemos a nossa habitual reunião semanal e uma delas entregou-me um pequenino texto escrito por ela em que dizia entre outras coisas o seguinte:

"Nos nossos seminários respira-se humanismo, e todas nós nos sentimos livres para abrir "o nosso diário" porque estamos frente a alguém que nos ouve e que nos respeita. A Dete ouve-nos, a Dete consegue entender os nossos "súbitos desatinos", a Dete acalma-nos quando as coisas não correm como gostaríamos. A DETE LEU-NOS OS CORAÇÕES POR DETRÁS DA FATIOTA!
Todos nós temos uma história a ensinar a quem nos encontra, e todos os que nos encontram trazem uma história - a história de cada um. E assim falamos uns aos outros, contando a história certa no segundo perfeito de cada momento. Spreading Love around."

Foi das coisas mais bonitas que alguém me escreveu e que me emocionou até às lágrimas.
Por isso, quis partilhar esse momento convosco.

13 Comments:

Blogger Mitsou said...

Fizeste muito bem. Mas, pelo menos para mim, isso não é novidade. Já percebi que és uma pessoa especial. E agradeço-te a amizade. Um beijo enorme, linda.

10:01 da tarde  
Blogger Carlos said...

Miúdas!
Humildes!
Ar de Hippies!
Com ideais!

Que bom ainda haver na juventude gente desta!
E que bom haver ainda Odetes, que como eu ainda gostamos dela (juventude)!

Estou mesmo no CÉU e não é o LIMITE!

Xi

10:23 da tarde  
Blogger andorinha said...

Mitsou,
A amizade não se agradece:), amiga.

Solrac,
Limites haverá, mas só aqueles que nós quisermos.:)

6:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Andorinha
Bom fim de semana aí por Guimarães.
Se puderes dá um saltinho à pousada de Sta Marinha da Costa e toma lá um café por mim. Que saudades! :)

Maite

8:42 da tarde  
Blogger andorinha said...

Maite,
Bom fim de semana também para ti.
É mesmo um sítio lindo a pousada. De vez em quando vou lá com amigos e está-se sempre bem.
Porque dizes saudades? Já andaste por aqui?
Beijinho grande

10:03 da tarde  
Blogger Bastet said...

Estou "de molho" com uma otite. Desejo-te pois um melhor fim de semana que o meu :/

10:17 da tarde  
Blogger andorinha said...

Cura-te depressa!
Beijinhos e o melhor fds possível:)

12:04 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Claro que sim, para uma portuguesa dos "quatro costados", guimarães é o "meu berço". E a pousada só me tráz boas recordações. Aquela fonte na varanda é uma inspiração onde eu gostei de passar uns bocadinhos a ler. :)

Maite

7:18 da manhã  
Blogger PortoCroft said...

andorinha,

Infelizmente, em Portugal, o hábito ainda faz o monge. Mas, o receberes esse bilhete revela-te uma saudável excepção. Eu sabia!... :)

8:50 da manhã  
Blogger Biblio Scalalis said...

Tão bonito o que contaste! Enquanto lia o que escrevias senti-me nos campos, a pousar de flor em flor, sentindo a brisa fresca do vento... e a pureza dos elementos! São esses testemunhos que nos dão a esperança de que no mundo ainda se encontram pessoas com valores. Temos que ajudar a preservar esse mundo...

10:00 da manhã  
Blogger andorinha said...

Maite,
Hoje não deu, mas amanhã vou lá tomar um café por mim e por ti.:)
É um local belo e tranquilo que nos proporciona momentos dum enorme bem-estar.

Portocroft,
Até que enfim que apareces por aqui e ainda por cima com palavras tão elogiosas.:)

Borboleta,
Temos mesmo que ajudar a preservar esse mundo.

6:39 da tarde  
Anonymous LYS said...

Andorinha/ Odete
A sua generosidade e valor humano não me tinham passado despercebidas. Faço muita animação cultural em ambientes como o seu.(Sou investigadora literária). Se algum dia precisar da minha contribuição gratuita, disponha. O Júlio Machado Vaz, meu particular amigo, saberá dar-lhe os meus contactos e identidade real. Um beijinho pelo seu testemunho
LYS (de Lisboa e da flor)

10:58 da tarde  
Blogger andorinha said...

Lys,
Fiquei sensibilizada com as suas palavras, que não sei se mereço.
No final do ano lectivo se pudesse contar consigo para colaborar em actividades de animação cultural na escola onde trabalho seria óptimo.
Contribuições gratuitas então são as melhores.:)))))
Só um pormenor: se não for abusar da sua gentileza ia-lhe pedir que me enviasse por mail a sua identidade real e o seu contacto.
Porque seria o Júlio a fazê-lo?!!
Aliás, conheço o Júlio apenas do "Murcon", logo como o poderia eu contactar?!
Posso contar consigo?

11:27 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home