sábado, setembro 16

Nasci-te

No meu ventre de mulher cresceu teu feto
e foi a minha boca que te deu palavras
e silêncios para tu gritares
Dos meus braços multipliquei teus braços
e dei-te distâncias para tu voares
Dei-te tempos-de-nada
medidos de coragem
E foste. E és.

Aqui vos deixo este belo poema de M. Teresa Horta com os votos de bom fim-de-semana.

7 Comments:

Blogger wind said...

Belíssimo mesmo, como todos os poemas dela.
Bom fim de semana:)
beijos

2:46 da manhã  
Blogger nene said...

Lindissimo! :)

beijinhos

10:39 da manhã  
Blogger Aspásia said...

Belas palavras, escritas por quem as escreveu, não podia deixar de ser.

Obrigada pela visita ao Quintal do Papá Axioco - era o nome do pai da Aspásia I... mas parece que vendeu a filha a um rico mercador, calcula!...:((

Bom fim de semana, amiga... cuidate con algun abutre más insistente ;))))

Besitos :))

1:52 da tarde  
Blogger AMMedeiros said...

Nasceu um belo poema. Excelente.
Bom fim-de-semana e um beijo

5:34 da tarde  
Blogger thorazine said...

aspásia, abutre? Esses não são necrófagos? Ó andorinha, ADMITES? :))))))))))))))))

(kidding)

8:07 da tarde  
Blogger andorinha said...

Wind e nene,
Beijinhos e bom fds:)

aspásia,
Não tem nada que agradecer a visita, Madame:)))
No me hables del abutre, mujer, es peligroso!:)
Beijinhos muitos e bom fds:)

ammedeiros,
Abençoada mãe que dá à luz um poema destes:)
Beijos

Thora,
Não te metas!
Isto são conversas para maiores de 21.
Looooooooooooool

10:04 da tarde  
Anonymous cinda said...

Obrigada pelo poema e, como o fds já passou, desejo-te uma óptima semana :)

Beijinhos doces, amiga.

8:50 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home