segunda-feira, fevereiro 25

O que é amar?

Depois de uma conversa com amigos em que se falou de amor e das diferentes formas de amar, dei por mim a reflectir sobre o assunto.
Às vezes as pessoas julgam que amam, mas na realidade estão agarradas à sua necessidade de possuir o outro. É como se dissessem:"Amo-te enquanto estás ao meu lado, mas se te fores embora, deixarei de te amar."
Quanto a mim, o amor passa por pensar no que o outro necessita e ter prazer em que o outro esteja bem, tudo isso de forma totalmente independente do estar ou não ao nosso lado.
E há outra coisa que eu julgo ser muito frequente na nossa cultura: não se aceita que eu possa amar muito o meu companheiro e ao mesmo tempo sentir prazer em estar com outras pessoas; partimos sempre da ideia falsa de que aquela pessoa pode e deve dar-me tudo aquilo de que preciso. Penso que isto é um equívoco, nenhuma pessoa nos prenche na totalidade.

21 Comments:

Anonymous Anónimo said...

(Nanashi)

Não podia estar mais de acordo com o texto...

Normalmente as pessoas acham que uma relação á distância nunca pode resultar, mas eu não concordo! Pode-se sentir saudades, o que é normal (o que acontece com toda a gente que gostamos, quando elas estão longe...), mas não podemos exigir que a outra pessoa esteja sempre ao nosso lado sem pensarmos em mais nada a não ser nós próprios.

eu não sou muito experienciada nisso, mas quando tive um namorado (ele era de lisboa) eu gostava muito de estar com ele, para dizer a verdade ás vezes desejava que ele estivesse sempre ao meu lado, mas sabia que ele não podia. E também queria que ele tirasse o curso que ele queria para ser feliz, e que estivesse com os amigos dele. E antes de descobrir que ele era a falcidade num homem, mesmo depois do namoro ter acabado, eu queria que ele fosse feliz.
E tambem nessa altura sentia falta da francisca quando não estavamos juntas. Como sinto falta das pessoas que me marcaram.


Peço desculpa pelo testamento.

Um beijo muito grande.

11:18 da manhã  
Blogger andorinha said...

Que boa surpresa, piquinita!:)
Concordo contigo, claro.
Se gostamos mesmo de uma pessoa, gostamos de a ver feliz.
Querer que essa pessoa esteja apenas e só connosco já é uma questão de egoísmo.
As saudades são naturais, claro.
Mas há sempre a alegria do reencontro.
E também já tenho saudades tuas, sabias?
Gosto muito de ti e se precisares de uma mana um bocadinho mais velha do que tu:), estou aqui.

Beijo grande*

P.S. Aqui estás à vontade para escrever os testamentos que quiseres. O espaço é grátis:)))

10:38 da tarde  
Blogger wind said...

Concordo contigo e acrescento que todos nós precisamos de vez enquanto do nosso próprio espaço, de estar sós e há aquela célebre fease "quem ama, liberta":)
Beijos

10:14 da manhã  
Blogger Incongruente said...

Amar é um acto da vontade.

2:39 da tarde  
Blogger mariazinha said...

DECLARAÇÃO DO AMANTE ANARQUISTA - Roberto Freire

"Porque eu te amo, tu não precisas de mim.
Porque tu me amas, eu não preciso de ti.
No amor jamais nos deixamos completar.
Somos, um para o outro,
deliciosamente desnecessários."


veio-me isto à ideia.

:)
beijos**

9:53 da tarde  
Blogger Frankie said...

Ora, finalmente uma opinião sensata sobre o amor.

E focando dois pontos que considero centrais.

Em primeiro lugar o amor, se for verdadeiro, é altruísta. Não espera nada em troca.
No entanto, tal como tudo nesta nossa sociedade, até o amor passou a ser uma moeda de troca, um jogo de interesses um "eu dou-te isto para que me dês aquilo"...
Não quero com isto dizer que não haja quem seja capaz de amar de verdade.
Não.
Mas, eu que não sou dada a romantismos, a florzinhas, beijinhos e outras coisinhas que tais, digo-te que, à parte tudo isso -que para mim não vale nada- o que fica é o desejo de saber que o outro está bem e feliz.
Connosco ou sem nós é (não digo indiferente porque seria creticine) mas, pelo menos, não deve ser a coisa mais importante.

Quanto ao segundo ponto de que falas...
Menina, não há nada mais sufocante do que isso!
Amar alguém não significa querer estar com essa pessoa 24horas por dia ou, por ela, colocar em segundo plano os "outros" que existem nas nossas vidas.
Há muitas formas de amor e muitas pessoas que fazem parte de nós. Tem de haver espaço para todas elas.

E, se me permites, iria até um pouco mais longe.
Mesmo quando as pessoas estão juntas, amar não significa estarem permanentemente agarradinhas e com aquele ar de melaço a desfiar uma data de "amo-te's" por minuto.
(Ok estou a exagerar, mas sabes o que quer dizer).

Pode-se amar muito alguém sem nunca sequer empregar essa palavra e sem -sequer- tocar essa pessoa.

Chama-me exagerada mas é o que sinto.

Beijinho grande*

10:40 da manhã  
Blogger Night Angel said...

bem é ca uma pergunta, mas o k posso dizer é k todos estao certos, pois amar é tudo isso e amar é mt mais k isso, nao podendo dizer-se k isto ou akilo é amor. pois como cada pessoa é unica, cada amor é unico. bjinhos pa Frankie, pa nanashi e pa ti andorinha

6:01 da tarde  
Blogger Nanashi said...

Olá!!!!!!!!! ^^

venho aqui deixar um beijinho á dona do blog ^^.
E aproveito para divulgar, que vou começar a responder aos comments do meu blog lá no meu cantinho ^^. Pois depois de uma reflexão sobre o assunto até faz sentido, pois se os comments estão lá, as respostas aos mesmos também devem estar ^^.

^*^Dark Kisses^*^

8:22 da tarde  
Blogger andorinha said...

Wind,
Totalmente de acordo.
Beijos.

Incongruente,
Não sei....

Mariazinha,
Não conhecia. Gostei muito. Forma deliciosa de caracterizar o amor.
Beijos*

Frankie,
"Em primeiro lugar o amor, se for verdadeiro, é altruísta"
Totalmente de acordo.
Quanto a florzinhas, beijinhos, etc, gosto quando enquadrados numa genuína manifestação de amor ou até amizade.
Quando esses sentimentos não existem, acho uma fantochada total.
Conheço gente que até não tem um bom relacionamento, mas que é capaz de no exterior andar sempre aos bejinhos e abraços.
"Não é preciso ser, o que importa é parecer"; abomino falsidade e hipocrisia.

Quaqnto ao segundo ponto, novamente concordância total. Amar alguém não significa "obrigar" essa pessoa a estar connosco 24 hoas por dia. Isso asfixia qualquer relação.

Beijo grande*, piquinita:)

Night angel,
Cada pessoa ama à sua maneira, é um facto. Mas amar não deve levar a um sentimento de posse do outro, é a minha opinião.

Beijinhos

Nanashi,
Que bom ver-te por aqui de novo!
Obrigada pelo beijinho.
Retribuo, claro, juntamente com um abraço muito apertadinho:)

Fica bem, piquinita.

12:30 da manhã  
Blogger LNeves said...

"Amo-te enquanto estás ao meu lado, mas se te fores embora, deixarei de te amar."

E ainda bem que assim é... Qualquer pessoa corre o risco de ficar "sozinha", de ser abandonada por quem ama! Se assim não fosse estavamos condenados. Se assim não fosse, não conseguiamos continuar a viver depois da morte de uma pai ou de uma mãe...

A vida continua, porque somos melhor e merecemos melhor do que quem nos abandonou... O pensamento tem que ser este... Sempre...

***MUAH***

12:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

olha pá, vim só dizer-te que também vou a Lisboa.;) Só se acontecer alguma coisa de muito grave com os meus.
Achas que se levar arroz de frango vou denunciar-me? LOL

Abraço.

(O "teu Julinho" surpreendeu-me!!!);)

cêtê

12:01 da manhã  
Blogger Klatuu o embuçado said...

É o chamado «amor-panadol»! :)=

1:06 da manhã  
Blogger andorinha said...

Lneves,
Mas porque havemos de deixar de amar o outro se ele se for embora?
As pessoas são livres, não são objectos que se possuam.
Sempre pensei assim...

Cêtê,

Lá nos encontraremos:)))
Leva uma T-shirt a dizer "Cêtê" e eu levo outra a dizer "Andorinha".
Assim é mais fácil reconhecermo-nos:)))) Looooooooooooooooool

O "meu Julinho"?
Olha que as pessoas fazem logo interpretações malévolas:)))))

Mas a mim não me surpreendeu nada, digo-te sinceramente.

Klatuu,
Tens cada sentença mais acertada:)
Beijo*

1:27 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Hei-de arranjar uma maneira...;P

eu, c�t�

2:55 da tarde  
Blogger Lux Caldron said...

O amor é uma coisa estranha... Tão estranha que se torna quase impossível de definir! (qualquer coisa entre uma benção divina e um vírus maléfico que nos mata lentamente!)

É certo que uma só pessoa não nos possa dar tudo o que precisamos, mesmo que o possa dar "na cama" nunca o poderá fazer a nível social, por isso discordo completamente de todos aqueles casais que se isolam do mundo para estarem sós, esquecendo amigos e antigas relações. e quanto "à cama", considero que é possivel amar alguém sem que esse alguém satisfassa o outro sexualmente. e embora não o defenda, acho razoável que uma relação amorosa pudesse ter muito a ganhar com outras relações sexuais pelo meio.

Quanto à necessidade ou não de ter o ser amado ao lado penso que todo o amor parte dessa base. Parte de um desejo de ter alguém do nosso lado mas evolui para outro estado: o querer que alguém seja feliz ao nosso lado. Por fim pode chegar à última fase, aquela em que apenas se deseja a felicidade do outro, e se isso implicar que ele se afaste então ficaremos longe e felizes pela felicidade do outro. Mas penso que nenhuma invalida que as outras sejam amor.

Dark kiss*

12:32 da manhã  
Blogger Rosa said...

Eu já escrevi tanto, mas tanto, sobre estes dois temas, que me vou abster de dizer mais o que quer que seja.
Beijinhos, dra! :)

5:39 da tarde  
Blogger andorinha said...

Lux,,
É uma coisa estranha, sim.
O isolamento de um casal em relação aos outros é muito negativo até para a própria relação. Cada pessoa é única e traz-nos sempre nuances e perspectivas diferentes de encarar o mundo.

"considero que é possível amar alguém sem que esse alguém satisfaça o outro sexualmente..."

Claro que sim, isso pode perfeitamente acontecer.
Além do mais, o ser humano não é monogâmico por natureza e contrariar a natureza é complicado:)))
Na nossa formatação cultural é que isso ainda não é muito bem aceite, sobretudo se forem as mulheres a não serem monogâmicas.
Para mim é algo de "normal" desde que as pessoas sejam adultas e saibam as regras do jogo.
Com lisura jogo qualquer jogo; só não gosto é de jogo sujo.
Isto dava pano para mangas, miúdo:)

Quanto ao resto, também acabas por ter razão:)

Beijo*

Rosa,
Por vezes a abstenção é o melhor caminho:)
Beijinhos.

7:03 da tarde  
Blogger Poesia Portuguesa said...

Um grande texto de reflexão... como em poucas palavras, disseste tanto...

Um abraço ;)

10:29 da manhã  
Blogger A estranha said...

Confunde-se amiude amor e dependência... Não podia concordar mais com o que dizes...

Um blog feito de pensar... Parabéns!

Beijos

2:30 da tarde  
Blogger andorinha said...

Poesia portuguesa,

Obrigada pelas tuas palavras.
Abraço:)

A estranha,

Agradeço também as tuas simpáticas palavras.
Beijinhos.

12:19 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

A Andorinha diz:"Nenhuma pessoa nos preenche na totalidade". Mas que desencanto é este? Que sentimento tão derrotista! Pode ser difícil de encontrar a tal pessoa, mas elas existem! Há que continuar em busca, sempre, sempre, sempre....Tá-me a parecer é que o JUlinho é que pode não ser o "tal". Não devemos contentarmo-nos com migalhas, quando podemos ter o pão todo! Só depende da nossa vontade, na tal busca!
BJs. Da Duquesa.

12:28 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home